Secreções

ATENÇÃO! Este não é um texto edificante, pelo contrário, é só uma secreção. Se estiver precisando de um texto "positivo", tenho mais de cem textos neste blog que podem te ajudar. Este é só um texto de mim para mim mesmo que teve a petulância de se tornar público, afinal, secreções não deveriam ser publicadas. Este texto também não é recomendado para pessoas de estomago fraco e nem para cristãos neófitos e superficiais.

Entrei no banheiro do quarto do hospital onde meu amado Tio Fernando estava internado e chorei. Minto, eu vomitei lágrimas dos olhos e ranhos do nariz. Aquilo tudo saiu sem controle e em grande quantidade e então cessou. Saí do banheiro, me aproximei do leito onde meu tio estava, ouvi suas últimas palavras e vi ele morrer ali mesmo. Outros parentes e amigos choraram ao redor do leito, porém, eu não chorei mais, pois já havia esgotado minhas secreções. Aprendi que meu corpo sempre lidará assim com secreções, de modo exagerado e repentino.

Tua vontade

Cristão, personagem do livro
"O peregrino" um clássico da
literatura de John Bunyan
publicado em 1678
Tenho assistido a série - Game of Thrones - uma superprodução global, recheada com uma rica trama, muitas cenas fortes de sexo e violência, porém, o que mais me chamou atenção, dentro daquele contexto de ficção medieval, foi o fato de que a maioria dos personagens não possuem controle sobre suas próprias vidas. São servos, servas, escravos, cavaleiros guerreiros, prostitutas e bastardos, todos súditos de algum nobre lorde ou do próprio rei. Alguns deles, inclusive, oferecem sua vida de modo espontâneo para algum senhor, tornando-se propriedade para satisfazer os seus desejos, por mais nefastos que eles sejam.

Este tipo de situação é muito indigesta para nós, tripulantes desta pós-modernidade, onde parece que nosso esforço maior está justamente na luta pela liberdade, autonomia e autossuficiência. Queremos ser donos do nosso próprio nariz, mesmo quando ainda não temos a mínima estrutura para isso. Não gostamos de nos submeter a nenhum tipo de regra ou hierarquia, seja no âmbito pessoal ou institucional.

Foi refletindo sobre este contraste entre o universo ficcional de Game of Thrones e o nosso universo real, que um verso de Paulo na carta aos Filipenses me desconcertou profundamente:

"...pois todos buscam os seus próprios interesses e não os de Jesus Cristo."
Filipenses 2:21

Paulo relata aos Filipenses que enviará Timóteo, um servo fiel, pois os outros discípulos tinham ido cuidar de suas vidas, de seus sonhos, projetos e planos. Este relato de Paulo me fez lembrar que algumas vezes tenho feito isso em minha caminhada como cristão. Disse comigo: - Opa! Jesus, aquele que chamo de Mestre, tem seus próprios interesses. Por sua vez, eu, que me chamo de seu servo, devo dedicar minha vida para cooperar na realização dos seus interesses, planos e projetos. Esta óbvia constatação me elucidou vários outros textos bíblicos que só fazem sentido neste contexto de Lorde e servo, de Rei e súdito. Qualquer outra interpretação bíblica que ignore este contexto vai omitir a missão de Cristo e transformar a fé cristã em algo vazio que, talvez, na pior das hipóteses, seja reduzido a um conteúdo de autoajuda incoerente.

Entretanto, nesta vida, dificilmente deixaremos de ter nossos sonhos, nossos desejos e planos. Faz parte de nós este interesse por realizar e desenvolver. Inclusive, a ausência disso pode ser traduzido como uma profunda depressão. O próprio termo - ego - normalmente citado de modo pejorativo, tem em seu significado psicológico uma função neutra, nem bom, nem mau, mas de equilíbrio mental.

Ponderando esta realidade com a verdade bíblica, deixei algumas questões me incomodando:
Diante dos nossos interesses e dos interesses do Mestre, quais terão a primazia?
Vamos conseguir dobrar nossos egos, interesses e joelhos diante do Rei?
Vamos nos permitir ser usados como coparticipantes de seu Reino? 
Ou vamos terminar a temporada com a ilusão de sermos livres, mas escravos do pecado?

Transformai-vos!







Raiz de amargura

A alma humana aprende, se transforma e avança por meio de metáforas. Novos conceitos são agregados por este recurso valioso da linguagem. O apóstolo Paulo fez muito uso das metáforas em suas cartas às igrejas do primeiro século. Uma delas me chamou a atenção nos últimos dias. A metáfora da raiz de amargura, registrada na carta aos Hebreus:

“Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem.” Hebreus 12:15

Nesta metáfora, o jardim representa a própria vida pessoal e social, na qual cultivamos uma variedade de plantas. Flores que nos trazem cor e alegria, frutos e vegetais que nos trazem sustento e saúde. Porém, entre estas plantas, Paulo nos adverte que podem surgir plantas inúteis que não trazem alegria, muito menos saúde. Elas não nos dão nada e ainda tomam as forças das plantas que nos fazem tão bem.

Anima e Mulher


Dizem que todo homem tem sua porção mulher. Na verdade, esta é mais uma das teorias de Carl G. Jung que se tornou popular. Em sua teoria ele afirma que todo homem tem em si um arquétipo chamado anima no qual está contido esta imagem feminina.

 “A anima, sendo feminina, é a figura que compensa a consciência masculina. Na mulher, a figura compensadora é de caráter masculino, e pode ser designada pelo nome de animus”. (Obras Completas C. G. Jung, Vol.VII, §328).

Apesar desta porção mulher, os homens nunca saberão o que é ser uma mulher, pois esta imagem será sempre incompleta e rasa. Precisamos conhecer o símbolo e depois quebrá-lo para conhecer as mulheres que nos rodeiam: mães, irmãs, filhas, amigas e avós, como de fato elas são.

Caso o homem consiga integrar esta imagem à sua consciência isso trará benefícios como sensibilidade, intuição, afetividade, paciência, flexibilidade e muitos outros. Este tem sido o desafio do homem, em seu mundo interior e também no mundo exterior, palpável e objetivo: Trazer à tona todo valor que a mulher tem e todo benefício que a feminilidade pode trazer a estes dois mundos.


É nesta aventura que me encontro hoje, de diferenciar minha imagem, daquilo que realmente minha esposa é em toda sua simples complexidade, em toda sua forte sensibilidade, pois é desta divergência que se faz uma mulher real.

Perfume caro

Vários registros, nos quatro evangelhos, mostram que Jesus ensinava seus discípulos sobre o dever de ajudar aos mais necessitados, aos pobres, aqueles que estão enfermos ou famintos. Provavelmente, por conta destes ensinos, os discípulos de Jesus censuraram aquela mulher de Betânia que derramou um vaso de alabastro, um perfume muito caro, sobre os cabelos de Jesus. Segundo o próprio ensino de Cristo, aquele perfume caro poderia ser vendido e transformado em recurso para ajudar muitos necessitados.

Entretanto, Jesus repreendeu seus discípulos ao afirmar que a ação da mulher estava correta, pois naquele contexto, na iminência de sua morte sacrificial, aquele “desperdício” foi justificado por ter sido um ato propício de reverencia e adoração. Uma respeitosa despedida.

Asas e Gaiolas


"Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do voo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. 

Deixaram de ser pássaros. 
Porque a essência dos pássaros é o voo.

Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em voo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo já nasce dentro dos pássaros. 

O voo não pode ser ensinado. 
Só pode ser encorajado."

Rubem Alves

Só o Suficiente

Neste início de ano, tenho sentido claramente a presença de Deus em minha vida e em minha família. Nos mínimos detalhes, ele tem se revelado atuante e presente.

Ao ler este primeiro parágrafo, você pode ter concluído que tudo vai bem comigo e com minha família. Que Deus tem abençoado tudo que fazemos e que, por isso, não temos problemas. Se estou certo, você está errado, porque não é exatamente isso que quis dizer.

Se você voltar a ler o primeiro parágrafo vai perceber que a única afirmação que fiz é que Deus tem sido presente. Não disse que tudo vai bem, nem que todos os planos estão dando certo. A presença de Deus não implica, necessariamente, ausência de perigos e problemas. A Sua Santa presença não nos abstém das adversidades e intempéries da vida real.

Oh Tempo rei!?

Há cerca de 2.730 anos, Acaz foi rei de Judá.
Ele reinou apenas uns 16 anos que foram atribulados por muitas batalhas e invasões. Neste mesmo período, Isaías foi profeta e no meio de uma destas tribulações, na eminência de uma invasão inimiga, Deus envia a Isaías esta mensagem a respeito do Messias, mais conhecido como Cristo Jesus:

Por isso o Senhor mesmo lhes dará um sinal: a virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel. - Isaías 7:14

Fico a imaginar o semblante do Rei Acaz após ouvir aquelas palavras de Isaías.
Uma virgem? Um menino? Como? Quando?
Ora, quando! Daqui há apenas 750 anos. Não, Isaías não recebeu essa informação, mas se tivesse recebido, Acaz poderia questionar: O que isso tem a ver comigo? Estarei morto daqui há algumas décadas. Todos nós estaremos!

Ledo Engano

A tal Black Friday chegou de novo aqui nas terras Tupi e mesmo com todo receio de que o Brasil vai sucumbir, financeiramente, em 2015, todos nós fomos às compras, seja na internet, seja nas antigas e ultrapassadas lojas físicas com seus inconvenientes vendedores.
Lá estava eu e a patroa, em um Shopping de Campinas, tentando filar algum super desconto. Com uma superficial olhada nas lojas, já é possível entender que não há nada de super na sexta-feira negra do Brasil. São as mesmas promoções de sempre, na qual a margem de lucro dos lojistas fica bem protegida da voracidade dos consumidores.

Vídeo de Lançamento do Livro Transformai-vos

Confiram este vídeo especial gravado e editado com carinho pelo meu amigo e irmão de fé, Anderson Vieira, que passa um gostinho de como foi especial o Lançamento do Livro Transformai-vos.



Livro de Assinaturas do Lançamento do Livro

Agradeço a todos os amigos e parentes especiais que estiveram presentes no Lançamento do Livro Transformai-vos e deixaram seu importante registro no livro de assinaturas.

Deus abençoe a vida de todos vocês!
Transformai-vos!


Vintage

Escrito por Elder Nunes dos Santos

Depois de alguns anos trabalhando com moda, alguns conceitos e particularidades desse negócio ainda me surpreendem.
Talvez seja porque a moda é mutante, ou ainda, porque sempre volta às origens. Usamos hoje o estilo de roupa que nossos avós usavam, só que agora o chamamos de “vintage”. As cores, as modelagens, os padrões de tecido, tudo entra, sai e volta na moda.
A moda também atinge as nossas casas, nossa decoração e até nossas panelas. Hoje tá na moda panelas de cores vibrantes como o vermelho, amarelo e verde e, quem diria, até nossa cozinha sai e entra na moda!
Estamos imersos em um mundo que dita a moda, vivemos cercados por ela, e às vezes a moda faz com que mudemos de atitude e até mesmo de gosto.

Aquietai-vos

Escrito por Silvana Jacob Cury Santos

“Não tenha medo, tão somente creia...” - Lucas 8.50

“Sejam fortes e corajosos, todos vocês que esperam no Senhor!” - Salmos 31.24

Por que temos tanta dificuldade em viver de acordo com estas palavras?
Por que, simplesmente, não conseguimos nos acalmar, não ter medo, não esperar em Deus em momentos difíceis?
Por que nos antecipamos, nos degastamos, nos desesperamos até a exaustão tentando, muitas vezes, solucionar nossos próprios problemas?
Por que queremos tanto controlar nossas próprias vidas?
Ou, será que apenas EU questiono estas coisas?
Você deve imaginar que tenho uma boa resposta para todas estas perguntas. Desculpe-me, amigo, mas decididamente não tenho...

A Mesa da Fé

Daudi mora em um pequeno vilarejo no Leste da África, com sua esposa Leiza e sua filha Niara que há alguns meses está adoecida e os curandeiros locais não conseguem descobrir que doença ela tem. Daudi trabalha como carpinteiro, profissão que aprendeu com seu pai e a exerce com muito zelo.
Certo dia ele recebeu o pedido de um novo morador, estrangeiro, que lhe fez uma encomenda inusitada. Ele pediu que Daudi fabricasse uma mesa em miniatura para ser colocada sobre um móvel.
Daudi achou aquele pedido mais esquisito ainda, quando o cliente lhe pediu para talhar em cada pé desta pequena mesa, uma frase distinta, em um idioma que ele não conhecia. Sobre a mesa deveria ser talhada apenas uma palavra. Ele ficou curioso, mas como era tímido, não fez nenhuma pergunta àquele cliente sério e de poucas palavras.