Divulgação

Vestígios de Deus

Sabe Tio, até acredito em Deus, mas às vezes acho que Ele não existe não. Porque ele nunca falou comigo. Ele já falou com você?

Tinha dado uma aula bem básica de Escola Bíblica Dominical quando esta pergunta de um garoto de nove anos me colocou sentado na mesa, com orgulho de estar ali. “A sinceridade cruel das criancinhas”, dizia o poeta Cazuza. Sentimos falta dela no universo adulto, por isso não podia perdê-la naquele momento ímpar. Respondi sem hesitar: - Não, Deus nunca falou comigo também. Nunca ouvi sua voz. Já orei diversas vezes, algumas até pedi um sinal claro de sua vontade, mas nada. Nenhum sinal das estrelas.

Foi quando me lembrei de um episódio da infância. Era época de Natal, todos agitados com as compras de fim de ano, mas a situação financeira estava crítica em casa. Quando a grana apertava, meus pais faziam a lista de compra do mês bem enxuta e mandavam eu e minha irmã ao supermercado sozinhos, com dinheiro contado e calculadora na mão. A compra de mantimentos se tornava uma operação militar. Enquanto a maioria enchia os carrinhos com a cesta de Natal, minha irmã sacava sacos de arroz e feijão das prateleiras. Quando terminamos de passar a compra, minuciosamente calculada, uma sirene tocou no nosso caixa, acabávamos de ganhar uma cesta de Natal completinha. Me lembro de ver minha irmã com lágrimas nos olhos.

Aquela cesta não significaria nada se, na noite anterior, não tivéssemos pedido em oração, um Natal mais recheado. Não quero fazer de Deus um papai Noel, insinuando qualquer teologia da prosperidade, pelo contrário, creio na teologia da transformação, na qual Deus, não me atende, não me responde, não faz minhas vontades, muito menos realiza meus desejos, mas mesmo assim, se faz presente, constrangendo meu coração quando erro e transformando minha mente quando o busco.

Sigo os mesmos vestígios perseguidos por poetas ansiosos, ao clamar: “Minha alma tem sede de Ti, meu corpo te almeja”, ou por sábios empoeirados, ao dizer: “Convêm que ele cresça e que eu diminua”.

- Mas não, filho, eu nunca ouvi a Sua voz.
Share on Google Plus

5 comentários :

  1. "creio na teologia da transformação, na qual Deus, não me atende, não me responde, não faz minhas vontades, muito menos realiza meus desejos, mas mesmo assim, se faz presente, constrangendo meu coração quando erro e transformando minha mente quando o busco"
    parafraseando o meu pro´prio blog: oqéisso?!?! - isso é ser seguidor do CAMINHO!
    Agradeço a Ele pelas tuas experiências, tua consciência e por teus textos.

    ResponderExcluir
  2. geovanete26.4.08

    Filho

    Agora tá mais fácil p/ te curtir novamente, com seus blogs.
    Gostei...
    Ainda bem q sentimos a atuação de Deus em nossas vidas.
    Ele é Tremendo!!!
    um abraço bem apertado...
    mami

    ResponderExcluir
  3. Legal o que comentou. Fiquei feliz e gostei do que escreveu sobre o ocorrido no supermercado. Muito ilustrativo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. coisa linda tuas palavras. Isso é presente de Deus.

    abençoado seja, sempre.

    Bia.

    ResponderExcluir