Divulgação

Livro sim, revista não.

Há alguns dias, me perguntaram se sinto saudades de alguém. Prontamente respondi que não, mas a pergunta ficou à deriva, procurando uma resposta sincera. Sinto saudade daquelas pessoas que por alguns dias, horas ou até minutos, decidiram não fazer questão de si mesmas e me ouviram.

Em tempos de astigmatismo social, onde apenas folheamos pessoas como revistas superficiais sem conteúdo, poucas vezes nos surpreendemos com aquelas interessadas em nos ler completamente, como livros repletos de tramas e complexidades. A expressão "Ninguém lê nada!" muito usada na área de propaganda, vale também para os relacionamentos atuais onde parece existir uma deficiência em se enquadrar e focar a vida de um amigo ou parente.

Me surpreendo ainda mais vendo que também funciono assim, também evito o envolvimento, evito o investimento na vida alheia. Passo dias, semanas e meses, ensimesmado em meus sonhos, planos, contas e afazeres. Por vezes, no final do dia, me lembro que tal pessoa tentou se aproximar, me contou um problema, me confidenciou algo, mas já é tarde e eu não li, não me aprofundei, apenas vi a capa, dei uma passada de olho no texto da contracapa e voltei meu amigo na prateleira.

Além de egoístas, temos receio de ser inconvenientes, como talvez Jesus tenha sido ao dizer pro baixinho Zaqueu: "desce desta árvore, que eu vou jantar na sua casa hoje..." ou intrometidos, como talvez Ele tenha sido ao dizer a mulher samaritana "disseste bem: Não tenho marido e este que estás não é seu...". Falta-nos hoje esta capacidade de ver o coração do nosso amigo, irmão, cunhado, tio, filho, mãe, pai, marido, esposa, namorado em toda sua individual profundidade.

Cada pessoa é uma obra literária consistente, não uma revista semanal sobre as celebridades da nossa novela favorita.

Transformai-vos!
Share on Google Plus

2 comentários :

  1. Como sempre digo, "Ler é perguntar e responder para si mesmo" folhear nos dá o conforto de não precisar pensar em nada.
    Ler profundamente o outro gera perguntas e desconforto. Renovação da mente sem um saudável questionamento é bem difícil...o que falar de nós humanos???
    apenas, misericórdia, Senhor

    Ainda bem q o autor deste blog não desistiu de perguntar...

    ResponderExcluir
  2. Lucas, querido!!! Só agora li o seu post anterior e soube do Ianzinho... Só posso dizer o que sempre disse para qualquer um que me pergunta sobre você (não vá ficar todo orgulhoso que isso pode afetar a sua criatividade!): você é um gênio, e com certeza uma das pessoas mais sensíveis que eu já conheci. É mesmo um privilégio ter te conhecido e convivido contigo. E se as idas e vindas à biblioteca da vida não tivessem ficado limitadas pela nossa distância geográfica, eu com certeza continuaria te lendo por horas! Fazer o quê? Vou continuar lendo seus posts...

    Beijão na Ju e nas crianças.

    Sílvia :)

    ResponderExcluir