Divulgação

Este terceiro sujeito

Quando era criança imaginava que casamento era algo fácil de dar certo, duas pessoas se encontram, se amam, decidem, casam e vivem felizes. Hoje, vejo o casamento como um mistério do coração, duas pessoas ligadas pelo simples desejo de estar juntas, como num truque de mágica, onde o artista controla um objeto no ar, mas os espectadores não conseguem ver o fino fio que liga as mãos ao objeto. No casamento, estamos juntos até que um diga: "não quero mais". Sofre quem fica, quem vai, e, no caso de filhos, quem está no meio. Mas este terceiro sujeito, continua vivo, continua sendo passado e se fazendo presente.

Ouvi dizer e concordo com a teoria de que a união de dois elementos não é apenas um agrupamento, em alguns casos, estes elementos se transformam, gerando um outro terceiro elemento, até então inexistente. Meu casamento completou nove anos, nem eu, nem a Ju, ele completou. É um menino, já sabe se expressar, sabe se locomover, foi alfabetizado, começou entender seus sentimentos, chora bem menos, adoece menos, escolhe amigos e sabe se afastar de alguns perigos. Já trocou os dentes de leite por grandes dentes permanentes e apesar de ainda ter muito a aprender, promete ser um bom sujeito.

Casamento é cruzamento de amor com vontade. Amor que é cola. Vontade que é ato de colar, de fazer o que certo pra ver o certo dar certo. Vontade de usar o amor pra se fechar diante de tantos amores possíveis e se dedicar a um só. Amor que gera vontade de ficar junto, de dividir o lucro e o prejuízo, o custo e o benefício. Amor involuntário que ama sem sentido, com vontade voluntária que age lúcida e consciente. Amor de ficção, vontade de razão.

Para os céticos, instinto humano.
Para os fiéis, mistério de Deus.
"Amor não é olharem um para o outro, mas sim olharem ambos numa mesma direção" Antoine de Saint-Exupéry

Share on Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário