A Corda-Guia e a Homofobia

Há alguns anos visitei a cidade de Bonito no MS, cidade conhecida por sua beleza natural. Além de visitar seus belos rios cristalinos tive a oportunidade de entrar em uma caverna. Não tínhamos os equipamentos próprios, apenas algumas lanternas de uso doméstico e muita coragem, a não ser por mim, que nem coragem tinha. Era um buraco no chão, descemos uns 7 metros até a primeira sala. Neste primeiro espaço a claridade da entrada ainda nos auxiliava bastante. Descemos então mais alguns metros e a escuridão era total. Encontramos neste local uma corda-guia, pregada no chão, provavelmente por desbravadores mais qualificados. Em um determinado momento apaguei a lanterna para sentir a escuridão. Ela era tão intensa que parecia ser possível tocá-la. Imaginei que, se a luz da lanterna apagasse, o único meio de voltarmos para a luz seria seguindo aquela corda-guia, pregada no solo da caverna por cautelosos aventureiros.

Este episódio, registrado em minha memória, serviu-me de analogia para tentar explicar o posicionamento que tenho como cristão sobre a tão falada PL 122 – A lei contra a Homofobia. Como cristão-bíblico, escolhi em liberdade seguir a Bíblia Sagrada em sua totalidade, como regra de fé e prática. Por seguir este livro, aprendi, dentre tantos outros ensinos, que a prática do homossexualismo não é aceitável diante de Deus(Javé – Deus dos Hebreus). Porém, ainda como cristão, entendo e aceito que nem todos seguem este livro como corda-guia para suas vidas. E também compreendo, por este livro, que devo amar ao próximo sem impor minha fé àqueles que não a seguem. Ainda como cristão, tenho consciência de que devo comunicar esta fé a todos. Tenho o dever de proclamar: “Olhem, vejam esta corda-guia que estou seguindo! Sigam também!” Mas entendo que muitos terão a liberdade de não seguir. Não posso forçá-los, pois a história nos mostra que toda imposição de fé termina em violência, dor e ódio.

Tive a oportunidade de morar, por muitos anos, com um familiar homossexual e espírita e sou grato a Deus por ter compartilhado minha fé com ele em nossas conversas sobre sexualidade e espiritualidade, porém, nossos diálogos mudavam de direção quando eu apresentava textos bíblicos que eram contrários ao seu estilo de vida, pois ele não seguia a Bíblia como corda-guia. Só conseguimos coexistir pacificamente porque ambos respeitávamos a liberdade do outro. Ele morreu há alguns anos, mas o considero como um segundo pai, que me ajudou muito em um período complicado de minha jornada.

Estudo a Bíblia desde criança e durante estas três décadas tenho visto a sociedade se distanciando, nitidamente, desta corda-guia. Muitas vezes tenho visto a própria igreja se afastando dela para seguir modismos e tendências mais convenientes. Mas, o fato é que a corda-guia está fincada em uma rocha imutável, que é o próprio Cristo; por mais que as leis sejam criadas, aprovadas ou reprovadas; por mais que a sociedade, o Estado laico ou até mesmo a igreja se afaste, esta corda-guia nunca mudará de lugar. Ela sempre estará fincada nesta Rocha para consolar e exortar. Como cristão fui ensinado a segui-la, porém, também aprendi que ao ser humano foi dada a liberdade de ver a luz e, mesmo assim, decidir ficar na escuridão.

"Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele."

"Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus."

"Este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram as trevas, e não a luz, porque as suas obras eram más."

Palavras de Jesus no evangelho de João
Share on Google Plus

4 comentários :

  1. Lucas, sua mensagem está muito boa e sua posição bem clara! Os versículos abaixo confirmam pela Palavra de Deus a sua posição. Vamos amar o próximo e interceder por eles, porque sem a Corda-guia que é Cristo não somos nada.

    ResponderExcluir
  2. Faço minhas as suas palavras, Lucas. Fantástico.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto, Lucas Pedro. Às vezes nos sentimos perdidos em meio a tantas afirmações... "qual é minha posição?" ou "O que penso sobre isso?"
    Até que ponto podemos falar abertamente sobre o assunto (homossexualidade) sem ferir ou odiar o próximo? As palavras são capazes de afastar pessoas de uma longa amizade, embora os próprios pensamentos e posturas diferentes os afastem... Sua reflexão é oportuna, clara e respeitosa... É possível defender uma posição sem ofender e gerar o ódio! Que Deus nos ajude a viver um cristianismo autêntico, sem abrir mão dos princípios que temos, e sem abrir mão do nosso dever de amar, sinceramente, o próximo. Assim, seremos luz e indicaremos o caminho para a "Corda-guia".

    ResponderExcluir
  4. Aleluia! Vida inteligente dentro da igreja!
    Lucas, você é uma bênção nesses tempos em que percebemos que o que mais falta entre os "crentes" é o cristianismo.
    Que Deus te abençoe com sabedoria e ousadia para proclamar o evangelho!

    ResponderExcluir