Nem derrotados, nem vencedores...

Maurits Cornelis Escher - 1935
A autoimagem é o nosso reflexo no espelho da consciência. É a visão que temos de nós mesmos. William James, um dos fundadores da psicologia moderna, foi um dos estudiosos que mais usou este termo. Ele também escreveu uma obra chamada Variedades da Experiência Religiosa, na qual descreve os benefícios e também os malefícios da fé cristã na psiquê dos indivíduos. Como um dos benefícios ele aponta a capacidade do cristão em entregar sua vida nas mãos de um ser superior, aceitando a incapacidade de controle diante das adversidades da vida. Por outro lado, como um dos malefícios, ele aponta a acentuação da ambiguidade do indivíduo que a todo momento oscila entre o santo e o devasso e que acaba sofrendo nesta gangorra de autoimagem, na qual hoje é um vencedor e amanhã será um derrotado pecador e merecedor dos castigos dos céus.

O apóstolo Paulo relata claramente este problema em sua carta aos Romanos, no capítulo 7:
"Pois, no íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus; mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo, guerreando contra a lei da minha mente, tornando-me prisioneiro da lei do pecado que atua em meus membros. Miserável homem eu que sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?

Um pouco a frente, na mesma carta, ele diz:
Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Também diz que somos herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo.

Mas, afinal, o que somos nós cristãos?
Desventurados ou triunfantes?
Derrotados ou Vencedores?

Paulo responde estas questões ao registrar, mais a frente:
Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Creio que este seja o ponto de equilíbrio tão almejado na autoestima do cristão. Não somos vencedores neste mundo. Aqui nós não estamos protegidos de doenças, de catástrofes e de outras mazelas da vida. Somos pessoas comuns, vivendo uma vida normal. Porém, em todos os momentos, bons e ruins da jornada podemos nos sentir amados por Deus, por meio de Cristo Jesus. A base da nossa autoimagem está no fato de que somos seres comuns, falhos, frágeis, porém, que apesar destas imperfeições, somos seres amados por Deus e que nada nos separará deste amor. "Povo de propriedade exclusiva de Deus".

Somos mais que vencedores porque somos amados e isso é infinitamente melhor do que ganhar todas as lutas e ser melhor do que os outros. Somos mais que vencedores porque nosso mestre, Cristo, nos ensina a vivermos acima desta atmosfera competitiva e dualista de campeões e perdedores, de heróis e vilões, na qual respira a humanidade. Ele nos ensina a nos sentirmos amados e assim sermos libertos para amar os outros independente de suas falhas e imperfeições.

Como diziam sabiamente os Los Hermanos:
"Olha lá, quem acha que perder
É ser menor na vida
Olha lá, quem sempre quer vitória
E perde a glória de chorar
Eu que já não quero mais ser um vencedor
Levo a vida devagar pra não faltar amor"

Te convido a olhar no espelho de sua consciência e dizer:
- Não, você não é um derrotado, nem um vencedor;
- Você, meu caro cristão, é um ser amado incondicionalmente por Deus, por meio de Cristo Jesus.


Transformai-vos!


Share on Google Plus

1 comentários :

  1. exatamente. A vitória que temos não é deste mundo. Ser vitorioso por aqui para os creem em Cristo é vê-lo em meio ao dia a dia, em meio às dificuldades da vida, iguais as de todos. É contar com seu Santo Espírito, e enxergar com o filtro da graça. Faço minhas as suas, as de Paulo e as dos los hermanos misturadas.

    ResponderExcluir