Banner Geração Digital

Aparelho e Canudo



Na adolescência, fugi do aparelho dental por uma questão de vergonha. Não tive coragem de usar aquele aparelho no estilo cabresto que nem se usa mais. Também fugi da faculdade, mas por uma questão de necessidade. Entrei com tudo na vida profissional, pra ganhar dinheiro como técnico, deixando o sonho da graduação para depois.

Os dois débitos ficaram em aberto por muitos anos. Veio o casamento, vieram os filhos e muita água passou debaixo da ponte. Porém, nos últimos anos, tenho me empenhado em pagar essas dívidas pessoais que deixei em aberto. Para isso, é preciso uma dose de humildade para assumir que certas decisões foram erradas, para encarar que certos caminhos foram descaminhos que tornaram a jornada mais penosa.


A vida cristã necessita destas avaliações e reavaliações. Hoje, avalio a educação que eu e minha esposa temos dado aos nossos filhos, avalio as decisões de carreira e os nossos caminhos como igreja, como corpo de Cristo. É preciso muita humildade para considerar métodos, processos e intenções erradas, sem tentar iludir-se com contra-argumentos de defesa. É preciso ser sincero.

Além disso, ao contrário do que muitos cristãos acham, é preciso fazer isso em atitude de amor. Sem auto-flagelo, sem entoar "mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa". É preciso olhar-se com olhos de compaixão e amor, com olhos de quem entende-se falho, mas amado. Com olhos de quem sabe que para cumprir o principal mandamento da fé cristã é preciso também amar a si mesmo, na medida correta, sem transformar este amor em mimo egoísta.

É preciso endireitar os dentes e os caminhos.
É preciso graduar-se para o agora e para o além.

...

Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza.
Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles
que por ela foram exercitados.
Portanto, fortaleçam as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes.
"Façam caminhos retos para os seus pés", para que o manco não se desvie,
mas antes seja curado.
Hebreus 12:11-13



Share on Google Plus

1 comentários :

  1. Parecia que o texto, falava da minha vida. A coisa mais importante é ter a coragem de abrir a mente, ver os erros, e admitir recomeçar, refazer, retraçar. Sem culpa. Aceitando os erros, como aprendizado, sem ser Super-crente, que não era, que não falha....Deus sempre faz mudança quando a mente se abre.

    ResponderExcluir