Divulgação

Simplesmente Vital


O telefone tocou às cinco horas da manhã. Corri para atendê-lo, apreensivo, pois neste horário só poderia ser problema. Era minha sogra, me pedindo para ir até sua casa para levar alguma palavra de consolo aos meus cunhados, Nayane e Felipe, pois o pequeno Gabriel estava na UTI com problemas respiratórios.
Enquanto trocava de roupa, me perguntava o que eu poderia falar para eles nesta situação. Abri o portão de casa, ainda sem nenhuma ideia. Nenhuma boa palavra que justificasse minha presença. Nem mesmo me achava a pessoa certa para aquele aconselhamento. Mais alguns passos e o episódio que havia lido na noite anterior, no Evangelho de João, emergiu na minha mente:
O oficial do rei disse: "Senhor, vem, antes que o meu filho morra".
Jesus respondeu: "Pode ir. O seu filho continuará vivo". O homem confiou na palavra de Jesus e partiu. (
João 4:49,50)
Eu não abri a Bíblia apostando na sorte. Eu havia lido naquela noite, com meus filhos, pois temos feito a leitura do Evangelho de João com eles, antes de dormir. Aquele texto seria suficiente. Seria ele e nada mais. Cumprimentei-os, perguntei sobre o estado do Gabriel, abri a Bíblia, apenas li este trecho acima e oramos juntos. Os próximos três meses de internação com as complicações que o pequeno Gabriel passou a partir daquela madrugada foram intensos e desafiadores, primeiramente para os pais e também para toda família e amigos. Em todos estes dias nos apoiamos na pequena frase de Jesus: "Pode ir. O seu filho continuará vivo".

Em ocasiões como esta, a fé cristã não dispõe de muitos artifícios, como outras manifestações religiosas. Não tomamos passe, nem elixir, não fazemos simpatias, não passamos no corredor da cura, nem caímos com o sopro do pastor ungido. Por isso, muitas vezes, acabamos parecendo céticos com relação a tudo. Somos os crentes considerados frios e racionais. Os crentes chatos do livro preto debaixo do braço. Por que? Porque a Bíblia preta debaixo do meu braço, ou instalada em forma de aplicativo no meu celular é a Palavra de Deus, viva, eficaz e suficiente. Sendo assim, agarramos Nela como o marinheiro se apoia no mastro do navio em meio a forte tempestade. Pois foi ela que o Deus zeloso nos deixou como herança. Ela nos conforta, nos fortalece e paradoxalmente nos quebranta. Ela e a Santa presença do Consolador que nos permite sentir paz em meio aos maremotos da vida. Não há nada em minhas palavras, nem nas suas, que possam transformar, consolar e quebrantar vidas, mas há tudo na Palavra de Deus que é simplesmente suficiente e vital. Sendo assim, não usamos outros instrumentos por serem condenáveis. Não os usamos porque a Palavra nos basta. Seguida do joelho no chão, a presença do Consolador e o apoio de amigos que é a verdadeira Igreja de Cristo.

Hoje, o pequeno Gabriel está em casa. Sua saúde ainda muito frágil, carece de muitos cuidados, mas ele está vivo e isso nos basta, como viva é a Palavra de Cristo que não volta vazia.


Nota:
Tenho usado e recomendo o livro Simplesmente Vital, um projeto do meu amigo Renildo Reis que foi apadrinhado pela Editora Bíblica. A ideia é simples, porém, genial: Publicar o Evangelho de João em um formato brochura simples, leve, prático para leitura e transporte, além de ser um ótimo livro para presentear amigos e parentes que nunca tiveram contato com a Bíblia.


Share on Google Plus

0 comentários :

Postar um comentário