Vôo 1907 versus Deus

“Ocorre que uma criança de bom temperamento está morrendo de tumor cerebral, uma feliz jovem esposa vê o seu marido e filhos serem mortos diante de seus olhos por um motorista embriagado; ...Por quê? A menção de Deus – da vontade de Deus – não ajuda nem um pouco. Como poderia um Deus bom, um Deus amoroso, fazer isso? Como ele poderia até mesmo deixar isso acontecer? E nenhuma resposta vem das estrelas indiferentes.”
Peter Kreeft

Sexta à noite fomos juntos, eu, Ju, Davi e Vitor, buscar uma pizza pertinho de casa. O cheiro estava ótimo, fizemos o pedido e ficamos sentados esperando nossa redondinha enquanto numa pequena televisão o famoso Jornal Nacional corria solto.

Nada de mais, até que um homem ao meu lado apontou para a TV dizendo que perdeu um amigo de infância na queda do avião da GOL. Surpreendido atentei para a reportagem que mostrava as primeiras vítimas em pequenas caixas de exopor repletas de flores por cima e familiares chorando ao redor. 154 pessoas mortas, o número ecoou na minha cabeça. Calculei que se cada vítima tivesse em média apenas 30 pessoas íntimas no seu círculo de convivência, entre parentes e amigos, são em torno de 4620 pessoas sofrendo arrasadas. 4620 pessoas perguntando às estrelas: Por que?

Longe de mim, mesmo como cristão, querer dar qualquer tipo de explicação teológica para o fato. Longe de mim, como cidadão, especular quem são os culpados, quem deveria pagar por isso. Longe de mim, enfim, qualquer racionalização barata que não confortará ninguém. Me veio a mente apenas a recomendação sábia do Apóstolo Paulo: “Chorai com os que choram...”.

Lembrei também que já sofri o suficiente pra levantar os olhos aos céus e indagar: Por que? Por que ele? Por que ela? Por que eu?

Se tivesse a oportunidade de falar aos 4600 e poucos entes e amigos das vítimas do vôo 1907, arriscaria dizer que ainda creio em um Deus amoroso e bondoso. Ainda creio neste Deus que como um sábio pai, cria e educa seus filhos mantendo-os sempre livres para escolher seus próprios caminhos. Somos livres para colocarmos nossas mochilas nas costas e viver nossas vidas, conquistar nossos objetivos, realizar nossos sonhos e fazer nossas guerras. Somos livres para construir nossos carros, motos, casas, prédios, trens, aviões e etc. Somos livres para andar, correr, nadar, mergulhar e até voar com as asas que nós mesmos projetamos. Diante desta maravilhosa liberdade, estamos também sujeitos aos imprevistos, aos incidentes e acidentes, por vezes inevitáveis. Sujeitos ao que nunca gostaríamos de provar. A dor, a perda, o sofrimento, as sequelas físicas e emocionais e por fim até a morte.

Um dos 4600 e poucos gritaria revoltado: Então é nossa culpa? Seu Deus está absolvido? Ao que eu diria: Não é culpa de ninguém meu amigo, nem de nós, nem de Deus. Assim como sorrir, brincar, comer e nascer faz parte da vida. Chorar, sofrer, adoecer e morrer também faz.

Quanto a Deus, o que preciso dizer é o que também já provei em minha jornada. Ele, como o melhor pai do mundo, está sempre de braços abertos para quem precisa de um colo, de um abraço e principalmente de forças pra continuar. Provem! Experimentem! Busquem a Ele! Depois me contem se eu não estava certo.

Aos 4600 e poucos familiares e amigos das vítimas do vôo 1907.

Comentários

  1. Rodrigo7.10.06

    Lutando, crescendo, sonhando, adoecendo, sorrindo, chorando, louvando, dormindo, realizando, entristecendo, sofrendo, apanhando, alegrando, procriando, tentando, procrastinando, ensinando, acordando... morrendo... VIVENDO!

    Texto lindo LP!

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Claudio Becker8.10.06

    Deus continue te conservando esse sábio amigo, irmão, que tem o dom de colocar em palavras os sentimentos que muitas vezes estão presos em nossos corações, e lendo o seu texto, sentimos o alívio, pois um pouco dessa dor que sentimos por vermos nosso próximo em dor, foi transparecida, e se nosso Senhor assim o desejar, que leve um conforto pra essas vidas tão próximas a nós que estão sentindo essa dor, essa ausência, e necessitando mais uma vez do nossa Dele.
    Abraço
    Cláudio Becker

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Inscreva-se no canal no Youtube: