Causa e efeito

Por Lucas Pedro Transformai-vos - julho 27, 2018

(Arte por Angela Bacon)

"Irritação, obstinação, agressividade: essa é a lei da culpa inconsciente e recalcada. Inversamente, o perdão e a graça produzem alegria, descanso e segurança; produzem o clima no qual a culpa pode tornar-se consciente, afirmar-se, confessar-se e desencadear, por sua vez, o perdão e a graça."
- Paul Tournier, Culpa e graça

Tive a oportunidade de tirar alguns dias de folga e aproveitei para ler um livro que há muitos anos uma amiga havia me recomendado. Trata-se do livro Culpa e Graça do Psiquiatra Paul Tournier. Me arrependi de não ter lido antes. É um daqueles livros que você começa a grifar algumas frases e quando se dá conta está grifando o livro todo. Paul Tournier escreveu este livro na década de 50, tendo como público-alvo seus pares, os seus amigos médicos e companheiros de estudos. Apesar disso, sua leitura é de fácil entendimento e acerta com precisão o coração e a alma do leitor.

Dos muitos pontos abordados sobre a culpa, o que mais me chamou a atenção foi sobre as origens da culpa. Em muitos casos a culpa é objetiva e está relacionada com algo que fizemos de errado ou a algo que não fizemos, porém, em muitos outros casos a culpa tem sua origem na Causa que escolhemos para nossa vida. Aquilo que adotamos como nossa Missão de vida. Esta Causa, na maioria das vezes, é algo muito positivo, bonito e idealista, como por exemplo: Cuidar e proteger os filhos ou só dar alegrias para os seus pais, ou ainda ser bem-sucedido nos negócios. São causas nobres e muitas vezes não verbalizadas, mas são os propulsores que nos tiram da cama todos os dias.

Entretanto, são essas nobres causas que nos açoitam e nos jogam na lona quando nos damos conta de que somos insuficientes e incapazes de cumpri-las. São essas missões idealistas que fazem crescer em nosso coração a pior das culpas. Não a culpa de ter feito ou não algo, mas a culpa de não ter sido tudo aquilo que propomos a nós mesmos. A culpa do ser, ou melhor, a culpa de não ser. A culpa de não ser um pai ou uma mãe tão atenciosos. A culpa de não ser um profissional tão competente. A culpa de não ter sido um filho tão impecável.

Me tornar consciente desta culpa, por meio deste livro, foi um dos aprendizados mais impactantes que tive nos últimos anos. Por vários momentos, tive que parar a leitura pra me recuperar do impacto. Foi um tratamento com um psicólogo que já faleceu há décadas. Me tornar consciente de que foram, justamente, minhas altas exigências, minhas nobres causas, as causas deste efeito tão negativo que enfrento diariamente, que se revela numa angústia leve mas insistente, que perdura por tanto tempo no meu coração: A culpa de não ser. A culpa de não ser suficiente à minha esposa. A culpa de não ser para meus pais. A culpa de não ser para meus filhos. A culpa de não ser para Deus.

Mas, é possível viver sem Causas? É possível viver sem os propósitos que nos tiram da cama diariamente pra luta diária. É óbvio que não. São, justamente, as boas causas que devemos ensinar aos nossos filhos, alunos e discípulos. Afinal, não são os bons propósitos que definem a boa conduta das pessoas nobres e respeitáveis? Porém, é também nestes bons propósitos onde residem as prepotências do ser. São nessas boas causas em que nós nos perfazemos de super-homens e super-mulheres capazes de tudo e é, precisamente, neste ponto onde as Causas se tornam enganos. Enganos que serão revelados pelos fracassos e desventuras inevitáveis que nos levarão ao lugar onde nos encontramos com a culpa de não ter sido.

Neste lugar nenhum de angústia, onde me sinto culpado por não ser, neste lugar onde estou curvado pelo peso das causas que não cumpri, neste lugar sufocante onde minhas insuficiências zombam de mim. É neste lugar, onde o próprio Deus vem e me diz: Eu sei, você não é, mas EU SOU! É neste lugar onde ele encontra meu coração na situação perfeita para ser quebrantado por sua Graça. É neste lugar onde Ele me mostra que pecar é muito mais profundo do que fazer isso ou aquilo, mas pecar é, acima de qualquer coisa, querer ser tudo aquilo que só Deus pode ser. Ser alcançado pela Graça é experimentar não ser, com a consciência limpa, pra estar em Deus que é tudo em todos. Ser alcançado pela Graça é ser retirado deste lugar pra viver com Cristo, aprendendo a ser menos, aprendendo a ser servo, discípulo e ajudante. Compreendendo que SER é apenas fazer parte de uma história onde Cristo é protagonista e Senhor. Nesta jornada Ele mostra que devo reduzir minhas causas e seus danosos efeitos.

"Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve". - Mateus 11:28-30


Transformai-vos!

Adquira o livro na Editora Ultimato.

  • Compartilhe:

Você também pode gostar:

1 comentários

  1. Este versículo sempre me causou impacto e foi sempre o meu preferido, pelo amor apresentado no convite que Jesus faz.E lendo este texto compreendi que ele também tira de nossos ombros a culpa e a prepotência do que não conseguimos ser, através de sua Graça.

    ResponderExcluir