Pés descalços

Por Transformai-vos - janeiro 28, 2019

Praia Brava - São Sebastião, SP - jan/2019

Resolvi descalçar. Fazer uma caminhada costumeira, mas desta vez sem calçados. Foi um desespero. Descobri que meus pés estão como bumbum de bebê. Toda pedra, por menor que fosse, provocava dores intensas e diversas em todos os pontos das solas dos meus pés. Apesar da dor, percebi que precisava daquilo. Percebi que andar descalço me dava a sensação que eu queria. A sensação de estar ali de verdade. De perceber, mesmo que sofrendo, cada detalhe do caminho. Eu queria aquela sensação de ser menos. De ser o que se é, quando se retira os adereços que nos armam, que nos impedem de sentir.

Voltei para o carro com os pés doendo e a dor permaneceu pelo resto do dia, mas eu queria mais daquela sensação de ser menos, de ser apenas aquilo que se é, sem instrumentos para me perfazer. Então, resolvi fazer algo mais ousado. Decidi fazer uma viagem descalço. Levei meus filhos e um dos meus sobrinhos. Três especialistas em pés descalços. Eles toparam uma trilha toda descalços, até uma cachoeira. Mesmo pra eles, a trilha foi dolorosa. Tão dolorosa que virou piada. Brincadeira de moleque que inventa brincadeira até da dor. Brincadeira de moleque que ainda sabe ser só aquilo que se é, sem calçados nos pés, nem no coração. Só aquela bobagem de menino. Reaprendi a andar com eles, saber usar e poupar os pés expostos a cada passo, a cada pedra, a cada ponta, a cada galho.

Voltamos da trilha com os pés moídos, mas com a certeza plena de que estivemos lá. Estivemos lá em cada passo, sem intermediadores entre nós e aquilo que a trilha nos impôs. Aprendi que é assim que quero andar daqui pra frente. Descalço pra cada momento e pra tudo aquilo que a vida me coloca. Se for pra ter prazer eu quero tudo, se for pra ter dor eu quero aguentar, porque entendi que a vida está posta diante de mim, pra isso. Pra que eu seja só isso, sem apetrechos. Pra que eu seja menos. Pra que eu me esvazie e, então, consiga me olhar como sou e olhar para o outro, diante de mim. Acima de tudo, pra que eu seja menos, pra Ele ser mais em mim e por meio de mim. Menos, bem menos.



Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus,  que, embora sendo Deus, 
não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; 
mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante 
aos homens. E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo 
e foi obediente até a morte, e morte de cruz! 
Por isso Deus o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, 
para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra,
e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai. '
Filipenses 2:1-11

  • Compartilhe:

Você também pode gostar:

0 comentários